FumanchúWebRádio

fan page

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

FLAGRA: Veja fotos da reconstituição do caso Fernanda dentro do prédio

As fotos foram feitas no momento que a policial da Rone fazia as simulações solicitadas pelos peritos.

A reconstituição dos últimos passos de Fernanda Lages Veras, 19 anos, antes de cair do prédio em obras do Ministério Público Federal (MPF), no dia 25 de agosto, foi feita nesta quinta-feira(29), no horário que a estudante de Direito teria falecido. 

O Cidadeverde.com teve acesso a algumas fotos feitas dentro do prédio, onde os peritos fizeram três tipos de simulações: uma onde a estudante teria se jogado; outra com uma pessoa jogando a estudante e uma terceira com duas pessoas jogando a vítima. 

Nas fotos, o portão da obra do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) por onde Fernanda teria entrado, as escadas do prédio por onde ela teria passado e a cobertura do edifício de onde Fernanda teria caído. 

Veja fotos:





TEMPO.

PEDRA DO SAL: Esperada a maior maré do ano


A previsão de uma grande maré alta para este final do mês de setembro esta tirando o sono dos donos de bares, na praia da pedra do sal.
Edição Blog do Pessoa

Fernanda morreu da queda do prédio; veja toda reconstituição

RECONSTITUIÇÃO: Na simulação, Fernanda ficou por 10 minutos na avenida João XXIII até entrar sozinha na obra.

Fotos: Yala Sena
A reconstituição do crime de Fernanda Lages confirmou a hipótese de que a estudante de Direito morreu da queda de uma altura de 27 m da cobertura do prédio do Ministério Público Federal. A Polícia fez três simulações: uma com ela se jogando sozinha, com uma pessoa do seu lado e a última com duas pessoas jogando Fernanda.


Atualizada às 7h40min

O restaurante Pernambuco foi fechado às 3h da manhã desta quinta-feira (29) para a reconstituição do caso Fernanda Lages. Policiais das Rondas Ostensivas de Natureza Especial - Rone - isolaram a rua Gabriel Ferreira no cruzamento com a avenida Miguel Rosa, zona Norte de Teresina, para o trabalho dos investigadores. O local foi o último dos três visitados pela estudante de 19 anos na madrugada de 25 de agosto antes de ser achada morta na obra da Procuradoria Geral da República. O trabalho é um dos últimos necessários para desvendar o mistério que domina a capital há um mês.
Fotos: Thiago Amaral/Cidadeverde.com
A reconstituição começou por volta de 4h20min e foi comandada pelo delegado Paulo Nogueira, da Comissão Investigadora do Crime Organizado - Cico -, que preside o inquérito. Os promotores Eliardo Cabral, Ubiraci Rocha e Benigno Filho, designados pelo Ministério Público do Piauí para acompanhar o caso, também se fizeram presentes. Ainda foram ao local o advogado da família de Fernanda, Lucas Villa, o secretário estadual de Segurança Pública, Raimundo Leite, e o delegado geral da Polícia Civil, James Guerra.

Seis pessoas que estavam com Fernanda no Pernambuco horas antes do crime foram colaborar com a reconstituição, enquanto uma policial do Rone vestida de preto e com sapatos vermelhos interpretou Fernanda Lages Veras. São dois rapazes e quatro mulheres que ocuparam duas mesas do bar. O delegado Paulo Nogueira explicou que a reconstituição é importante para saber se os horários batem com o que foi dito pelas testemunhas, além de servir como acareação do grupo de amigos. De acordo com o delegado, há contradições nos depoimentos que precisam ser esclarecidas.
Para o promotor Eliardo Cabral, "É ver de novo, repetir, trilhar o mesmo caminho que ela percorreu para renovar os fatos e extrair mais conhecimentos". O promotor Ubiraci Rocha acrescenta que o trabalho ajuda a visualizar a cena do crime. "Você tem uma visão mais nítida do espaço antes dela ser morta", declarou.

O secretário de Segurança, Raimundo Leite, informou que a reconstituição não precisa do laudo encomendado a um instituto da Paraíba, que deve chegar nesta sexta-feira a Teresina. O trabalho é realizado apenas com os dados da perícia e do Instituto Médico Legal.

Despedida no bar
A reconstituição foi pensada com riqueza nos detalhes. Desde o horário da chegada das duas últimas amigas ao Pernambuco até mesmo ao carro da estudante, um Novo Uno preto de placa NIX-2494, levado ao local pela polícia. E enquanto as últimas horas de Fernanda Lages em vida eram encenadas, os passos do vigia na obra da Procuradoria Regional da República também eram repetidos. Para tanto, o trecho da avenida João XXIII entre o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes - Dnit - e a Superintendência da Polícia Rodoviária Federal foram interditados pelo Rone.
Por volta de 5h05min, a polícia refez a despedida de Fernanda do restaurante. A jovem que interpreta a estudante foi até o carro na esquina das ruas Gabriel Ferreira e Tiradentes acompanhada de uma moça e um rapaz. Eles conversaram um pouco e se despediram. O veículo deu marcha ré e depois seguiu pela contramão na Gabriel Ferreira até a avenida Miguel Rosa, por onde Fernanda teria ido até encontrar a rua Coelho de Resende, a avenida Frei Serafim e enfim a avenida João XXIII.

Reconstituição na obra
A última imagem de Fernanda obtida pela polícia foi gravada por volta de 5h25min, na pista de baixo da avenida João XXIII. O carro da jovem chegou às 5h30min no local e ficou parado por volta de 10 minutos, com som do rádio ligado em volume alto. O segurança de uma concessionária em frente declarou à polícia ter sido esse o tempo passado por ela até entrar na obra. Neste momento da reconstituição, os dois lados da avenida foram interditados. O momento da entrada foi feito duas vezes. A moça abre o portão e entra sozinha.

A imprensa não obteve acesso ao prédio da Procuradoria durante a reconstituição.
Às 6h46min, a polícia fez duas simulações da queda de Fernanda. No sexto andar, a cobertura do prédio em obras da futura sede da Procuradoria da República, a altura chega a 27 metros. A jovem que interpresa a vítima chegou a colocar um dos pés no peitoril. Na primeira simulação, a jovem está sozinha. Na segunda, outras duas pessoas a seguram pelo braço, como se a empurrassem.

Incidentes
Na região do bar Pernambuco, uma pessoa foi presa por invadir a área de reconstituição e resistir ao pedido dos policiais para que saísse. O carro do rapaz, um Celta, foi rebocado. Também foi registrado um acidente nas imediações. Vários veículos passaram pelo local com velocidade reduzida para olhar o que acontecia.
Às 6h46min, a polícia fez duas simulações da queda de Fernanda. No sexto andar, a cobertura do prédio em obras da futura sede da Procuradoria da República, a altura chega a 27 metros. A jovem que interpresa a vítima chegou a colocar um dos pés no peitoril. Na primeira simulação, a jovem está sozinha. Na segunda, outras duas pessoas a seguram pelo braço, como se a empurrassem.

Incidentes
Na região do bar Pernambuco, uma pessoa foi presa por invadir a área de reconstituição e resistir ao pedido dos policiais para que saísse. O carro do rapaz, um Celta, foi rebocado. Também foi registrado um acidente nas imediações. Vários veículos passaram pelo local com velocidade reduzida para olhar o que acontecia.



Ampliada às 7h07min
Aguarde mais informações

Yala Sena (flash)
Fábio Lima (da Redação)
redacao@cidadeverde.com

RECONSTITUIÇÃO

Simulação na queda com duas pessoas segurando a vítima

Fernanda ficou por 10 minutos na avenida João XXIII até entrar sozinha na obra.

O restaurante Pernambuco foi fechado às 3h da manhã desta quinta-feira (29) para a reconstituição do caso Fernanda Lages. Policiais das Rondas Ostensivas de Natureza Especial - Rone - isolaram a rua Gabriel Ferreira no cruzamento com a avenida Miguel Rosa, zona Norte de Teresina, para o trabalho dos investigadores. O local foi o último dos três visitados pela estudante de 19 anos na madrugada de 25 de agosto antes de ser achada morta na obra da Procuradoria Geral da República. O trabalho é um dos últimos necessários para desvendar o mistério que domina a capital há um mês.

Fotos: Thiago Amaral/Cidadeverde.com

A reconstituição começou por volta de 4h20min é comandada pelo delegado Paulo Nogueira, da Comissão Investigadora do Crime Organizado - Cico -, que preside o inquérito. Os promotores Eliardo Cabral, Ubiraci Rocha e Benigno Filho, designados pelo Ministério Público do Piauí para acompanhar o caso, também se fizeram presentes. Ainda foram ao local o advogado da família de Fernanda, Lucas Villa, o secretário estadual de Segurança Pública, Raimundo Leite, e o delegado geral da Polícia Civil, James Guerra.


Para o promotor Eliardo Cabral, "É ver de novo, repetir, trilhar o mesmo caminho que ela percorreu para renovar os fatos e extrair mais conhecimentos". O promotor Ubiraci Rocha acrescenta que o trabalho ajuda a visualizar a cena do crime. "Você tem uma visão mais nítida do espaço antes dela ser morta", declarou.

O secretário de Segurança, Raimundo Leite, informou que a reconstituição não precisa do laudo encomendado a um instituto da Paraíba, que deve chegar nesta sexta-feira a Teresina. O trabalho é realizado apenas com os dados da perícia e do Instituto Médico Legal. 

Despedida no bar


A reconstituição foi pensada com riqueza nos detalhes. Desde o horário da chegada das duas últimas amigas ao Pernambuco até mesmo ao carro da estudante, um Novo Uno preto de placa NIX-2494, levado ao local pela polícia. E enquanto as últimas horas de Fernanda Lages em vida eram encenadas, os passos do vigia na obra da Procuradoria Regional da República também eram repetidos. Para tanto, o trecho da avenida João XXIII entre o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes - Dnit - e a Superintendência da Polícia Rodoviária Federal foram interditados pelo Rone.

A última imagem de Fernanda obtida pela polícia foi gravada por volta de 5h25min, na pista de baixo da avenida João XXIII. O carro da jovem chegou às 5h30min no local e ficou parado por volta de 10 minutos, com som do rádio ligado em volume alto. O segurança de uma concessionária em frente declarou à polícia ter sido esse o tempo passado por ela até entrar na obra. Neste momento da reconstituição, os dois lados da avenida foram interditados. O momento da entrada foi feito duas vezes. A moça abre o portão e entra sozinha. 

Por volta de 5h05min

A imprensa não obteve acesso ao prédio da Procuradoria durante a reconstituição.


Cidade Verde.com