FumanchúWebRádio

fan page

Federação das Industrias do Estado do Piauí

Federação das Industrias do Estado do Piauí

domingo, 28 de maio de 2017

Grávida dá à luz na calçada com ajuda de policiais militares em frente a base da PM em Campinas "Íamos conduzir para o hospital na viatura, porque ia ser mais rápido, mas não deu tempo", conta sargento que recebeu a bebê nos braços.

Policiais militares foram surpreendidos com o nascimento de um bebê em frente à base da PM de Campinas (SP) na Vila Industrial, neste domingo (28). A gestante de 27 anos, que seguia para a maternidade, parou para pedir ajuda dos policiais, mas a bolsa estourou e poucos minutos depois, na calçada em frente à corporação, a criança nasceu. Mãe e filha passam bem.
"Íamos conduzir para o hospital na viatura, porque ia ser mais rápido. Mas não deu tempo. Logo em seguida, a bolsa estourou e o procedimento foi deitá-la para fazer o parto", conta a sargento Mara Sílvia Kiefer, que aos 52 anos de idade e 21 de polícia se viu diante do seu primeiro parto.
Antes das 8h da manhã, a gestante procurou a base da 3ª Compania do 35º Batalhão já com contrações, mas ainda conseguia andar, segundo os policiais. A situação mudou rápido e não foi possível nem levá-la para dentro da base, segundo o soldado Herbert Fuda de Souza, policial há dois anos que foi o primeiro a ajudar.
"Solicitei o apoio das viaturas que estavam na rua em patrulhamento. Ela ficou na calçada. Pedi pra elas [a jovem estava acompanhada da mãe] virem para a entrada da companhia, só que ela falou pra mim que já não conseguia. Diante da situação, teve que ser feito na calçada mesmo. [...] A gente viu que já estava coroando", conta o soldado.
A Companhia fica em uma rua residencial. Três viaturas foram para o local. Toda a equipe envolvida conta com sete PMs. Segundo a sargento Mara, todos estrearam na realização de um parto durante o serviço.
O Corpo de Bombeiros foi chamado, mas a bebê não esperou e a mulher deu à luz uma menina.
"A gente se acostuma com as situações de estresse, a gente acaba não se desesperando. [...] Quando [a bebê] começou a chorar... É emocionante! Percebe que está bem, a mãe começou a chorar, sorrir de felicidade! A equipe inteira ficou emocionada", diz Fuda.
 Soldado Fuda (segundo da esquerda para a direita) e sargento Mara integraram equipe que ajudou no parto em frente à corporação, em Campinas (Foto: Polícia Militar)
Soldado Fuda (segundo da esquerda para a direita) e sargento Mara integraram equipe que ajudou no parto em frente à corporação, em Campinas (Foto: Polícia Militar)
"Foi uma emoção indescritível! Não dá pra dizer em palavras a sensação que é. Pegar aquele bebê  no   colo... Fizemos o procedimento de desobstruir as vias aéreas, cortar o cordão umbilical... Ela chorou pra caramba", lembra a sargento Mara, que foi quem recebeu a menina nos braços.
Diferentemente da sargento, que é mãe de um menino de 15 anos, o soldado disse ao G1 que não tem filhos, mas contou para a namorada sobre o nascimento da bebê, e faz planos. "Já falei com a namorada: o parto pode deixar comigo", diz.
A menina nasceu a termo com quase 3 kg e se chama Gabriela. Após ser avaliada por um médico plantonista do Grupo de Resgate e Atendimento a Urgências (Grau) do Corpo de Bombeiros, que foi até o local, ela e a mãe, que é moradora da cidade, foram encaminhadas para a Maternidade de Campinas.
“A gente tem que estar sempre preparada para as situações que aparecem. É gratificante! Vinte e um anos de PM e fazer um parto, trazer uma criança ao mundo, e bem. É o que mais importa", completa a sargento.
Postar um comentário