FumanchúWebRádio

fan page

Federação das Industrias do Estado do Piauí

Federação das Industrias do Estado do Piauí

sábado, 24 de junho de 2017

‘Absurdo’, diz mãe de Isabella Nardoni sobre semiaberto a madrasta

Leia depoimento de Ana Carolina Oliveira sobre provável concessão de benefício a Anna Carolina Jatobá, condenada a 26 anos de prisão pela morte de sua filha:

“Acho simplesmente um absurdo que a pessoa que comete uma atrocidade como essa, um crime que chocou não só eu, não só minha família, mas o país e até o mundo, esteja tão próxima da liberdade, ainda que provisória. Ela poderá conviver em sociedade, levar uma vida normal, poderá fazer algo que eu não posso há 9 anos e 3 meses, porque me foi tirado esse direito, que é chegar em casa e dar um abraço nos filhos.
Qualquer pessoa em sã consciência acha mesmo que esse curto espaço de tempo em que ela ficou presa [desde 2008] é suficiente para punir um crime tão bárbaro? Infelizmente, o meu nível de entendimento é muito pequeno e jamais chegará a esse patamar de aceitação. Sei que leis são leis e não tenho nenhum tipo de poder para mudar, mas tenho o livre arbítrio de não concordar e de me sentir chocada e penalizada.
Ela comete um crime hediondo, e a punição que temos para isso é a prisão. Esse tempo não é nem um pouco suficiente para que a pessoa passe a manter boa conduta, para que ela mude de uma hora para outra. Até porque não há nada que garanta que ela não possa fazer novamente a mesma coisa que fez contra a minha filha, ou qualquer outro tipo de crime tão horrível quanto esse.
Quantos presos não receberam esse beneficio e voltaram a cometer crimes? Quantos presos não obedeceram ordens dadas pela Justiça?  Ela sempre foi muito bem orientada sobre como se comportar para conseguir esse se livrar o quanto antes da cadeia. Até porque a conduta que ela tem hoje, presa, é absolutamente diferente da conduta que ela tinha antes do crime.
Na minha opinião, quem tem inteligência acima da média não comete crimes e sim a utiliza para fazer somente coisas boas. Se pessoas como ela têm valores éticos e morais, onde estão? Como? De que jeito? Ela agora quer praticar o bem. Por que não praticou o bem sempre? A pessoa que se mantém no bem não sai dele facilmente por motivos banais. O bem atrai o bem.
Quem tem afetividade rasa não pode reincidir no crime? Realmente, eu não entendo como essas coisas (a progressão de pena) podem acontecer e isso me deixa bastante triste, de verdade.
Sei que ela tem filhos e que filhos precisam de seus pais, ou de alguém que cuide deles, que lhes dê bons exemplos e ensinamentos éticos, o que ela já não fez. Então, diante disso, a minha única esperança é que, com esse benefício, ela possa ter o mínimo de discernimento e possa educar seus filhos para que se tornem bons cidadãos, o que a mãe deles não teve capacidade de ser. Os filhos não têm culpa de atos cometidos pelos pais, e essas crianças merecem vida digna, vida do bem, com bons exemplos.”
Fonte: Veja
Postar um comentário