FumanchúWebRádio

fan page

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Planalto teme que votos de Fux e Rosa no TSE influenciem STF

Andréia Sadi

Apesar da decisão do Tribunal Superior Eleitoral de rejeitar a cassação da chapa Dilma-Temer por 4 a 3, o Palácio do Planalto teme que os votos de Luiz Fux e Rosa Weber, a favor da cassação, influenciem o ambiente no Supremo se a Procuradoria Geral da República oferecer denúncia contra Temer.

Por isso, a estratégia do governo é "liquidar a fatura" no ambiente político, habitat natural de Temer, e não deixar que uma eventual denúncia de Rodrigo Janot seja submetida ao plenário do STF.

O STF só analisará uma eventual denúncia se a Câmara autorizar. O processo é o seguinte: se a PGR denunciar o presidente, uma comissão especial da Câmara e, depois, o plenário, terão de analisar a denúncia, que só irá para o Supremo se menos de 172 deputados votarem contra o andamento do processo.

Durante esta semana, o presidente vai seguir na ofensiva para garantir votos na Câmara com o objetivo de barrar a eventual denúncia e, assim, evitar uma nova batalha jurídica - desta vez com ministros do STF.

A avaliação no Planalto é que, diferentemente da Corte eleitoral, não é possível traçar estratégias para garantir vitória e prever resultados no Supremo.

Nas contas do governo, hoje, os ministros simpatizantes ao Planalto são Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, ex-ministro da Justiça de Temer.

Como Luiz Fux e Rosa Weber são vistos como ministros com votos contrários a Temer no caso de uma eventual denúncia, os demais integrantes do Supremo são vistos como incógnitas por auxiliares do presidente.

Isso porque, nas palavras de um interlocutor de Temer, existe no STF uma "maioria silenciosa".



Postar um comentário