O Eminente procurador da Lava Jato, Carlos Fernando dos Santos Lima, publicou um brilhante texto sobre a atual crise política e a recente entrevista de Joesley Batista. 
Confira na íntegra:
A pobreza intelectual do debate sobre a Operação Lava Jato é deprimente. Nos que iniciamos a investigação sabíamos que ela ia além do partido no poder. Sabíamos que chegaríamos aqueles que comandam o Brasil desde a redemocratização. E, observe-se, o PMDB esteve em todos os governos desde aquela época.
Assim, se o PT institucionalizou a corrupção na sua organização - por isso tantos tesoureiros do partido processados, o PMDB sempre foi uma confederação de caciques ou seja, de organizações criminosas autônomas, divididos basicamente em suas duas bases principais, o PMDB da Câmara dos Deputados e o PMDB do Senado.
Todos esses partidos, e outros igualmente, vêm usando historicamente de esquemas criminosos para se financiar. Em outras palavras, de corrupção pura e simples. Vejam o histórico de escândalos que vivemos desde o governo Sarney.
E mais, esses partidos são falsos inimigos uns dos outros, divertindo-se em dividir a sociedade ideologicamente, quando na verdade são exatamente farinha - apodrecida - do mesmo saco.
Apesar desse fato ser evidente nas revelações dos colaboradores e das provas produzidas, ainda vejo tolas manifestações maniqueístas a favor do PT contra Temer, a favor de Temer contra Lula, a favor de Aécio contra os dois, ou ainda a favor de aventureiros totalitários contra a própria democracia.
É impossível ver qualquer argumento inteligente nessa confusão. Temer pode ter comandado a organização do PMDB da Câmara dos Deputados, assim como Lula comandou a organização do PT, e assim por diante. Não transformemos uns em santos só porque não gostamos dos outros.
Essas organizações viveram, conviveram, e trocaram favores entre si enquanto incentivavam a divisão da população em ideologias que sequer acreditavam.
Precisamos nos unir em torno de princípios, e não pessoas ou partidos. Unir-nos contra a corrupção, contra o abuso do poder econômico, a favor da democracia, da meritocracia, da igualdade de todos perante a lei, do respeito do bem comum, e da tolerância entre as pessoas
Carlos Fernando dos Santos Lima, cidadão. .
O Excelentíssimo procurador disse tudo e mais um pouco. 
Estamos vivendo um dos momentos mais perigosos na luta contra a ORCRIM. Se recuarmos, continuaremos sendo escravizados. Se nos dividirmos, perderemos a guerra.