FumanchúWebRádio

fan page

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Grupos de apoio à Lava Jato farão ato contra a impunidade em frente à casa de Fachin

News Atual
Movimentos sociais de apoio à Operação Lava Jato, como o “Vem pra rua, Curitiba”, o “Lava Togas” e o “Curitiba contra a corrupção”, organizam um protesto para a próxima sexta-feira (7) em frente à casa do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, em Curitiba. O ato foi batizado de “repúdio à impunidade”, e segundo os organizadores, engloba diversas áreas do poder judiciário, como STF, Tribunal Superior Eleitoral e Tribunal Regional Federal da 4ª Região.
A coordenadora do “Vem pra rua” no Paraná, Gislaine Masoler, afirmou que a concentração será na casa de Fachin por ser o relator da Lava Jato no Supremo, mas o protesto será mais amplo. “A gente entende que parte do STF está trabalhando contra a Lava Jato e não podemos aceitar. Não queremos que a população perca as esperanças na Justiça”, disse.
Segundo Narli Rezende, representante do “Curitiba contra a corrupção”, os manifestantes devem usar togas pretas durante o ato, além de cartazes contra a impunidade e de apoio à equipe da Lava Jato: “Será um ato pacífico, sem tomates ou atitudes agressivas, mas incisivo. Esperamos que o ministro nos escute”.
Fachin tem colecionado derrotas na 2ª Turma do STF, que analisa os casos relacionados à Lava Jato. Em maio, o ministro foi voto vencido no colegiado, que acabou soltando três réus da operação, incluindo o ex-ministro José Dirceu. Apesar de estar alinhado com decisões do juiz Sergio Moro, que julga a Lava Jato em primeira instância, Fachin, agora, também virou alvo de protestos. “Fachin tem um histórico de lutas políticas, de ligações com o PT, mas demos um voto de confiança quando ele virou ministro do STF. Algumas decisões, no início, nos agradaram, mas agora a impressão é de que ele está menos rigoroso. Por isso, também passamos a questioná-lo”, disse Narli. (Gazeta do Povo)(Cesar Weis)
Postar um comentário