A guerra entre a Lava Jato de Curitiba e o ministro da Justiça está cada vez mais estampada. Mais cedo,  procurador da República Athayde Ribeiro Costa havia criticado, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, por não ter consultado a força-tarefa da Lava-Jato antes de reduzir os efetivos dedicados à operação em Curitiba. 
Em resposta numa coletiva, Torquato Jarquim disse que defende a Lava Jato: "Nenhum ato meu justificou gesto, atitude ou decisão que possa interferir na operação."
E acrescentou: "Hoje a Lava Jato é maior em Brasília e em São Paulo do que em Curitiba."
Na resposta, foi a vez do Eminente Procurador, Carlos Fernando dos Santos Lima, se manifestar pelo Facebook e desta vez, massacrar os argumentos do ministro:
Veja o que ele disse:
O Ministro da Justiça, que se diz defensor da Lava Jato, vem dizer que a operação de Curitiba é menor que outras pelo país.
Novamente e infelizmente deixou ele de perguntar para a força tarefa sobre a extensão e futuro da Operação Lava Jato aqui em Curitiba para chegar a essa conclusão.
As investigações em Curitiba continuam. A Operação Lava Jato no Paraná atingiu sua maturidade, o que significa o seu pleno vigor, capacidade e experiência.Isso é demonstrado pela operação de hoje.
Suas palavras não justificaram a redução de quadros em mais de 50% dos delegados designados para as investigações, e que levou à decisão de extinguir a exclusividade dos delegados remanescentes - ou seja - levou ao fim da força tarefa policial.