FumanchúWebRádio

fan page

Federação das Industrias do Estado do Piauí

Federação das Industrias do Estado do Piauí

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Teste rápido de detecção de HIV chega às farmácias do DF em 15 dias O preço deve variar entre R$ 50 e R$ 70. O resultado demora de 15 a 20 minutos para sair

MARIA EUGÊNIA - metrópoles

iStock/Foto ilustrativa
Os brasilienses terão que esperar para ter acesso ao primeiro teste de farmácia, registrado no Brasil, produzido para detectar HIV. Segundo estimativa do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Distrito Federal (Sincofarma), o produto só estará disponível na cidade em um prazo de 15 dias. Chamado de Action, o exame detecta a presença do anticorpo do vírus HIV a partir da coleta de gotas de sangue e o resultado leva de 15 a 20 minutos para sair.

O teste é composto por um líquido reagente, uma lanceta para furar o dedo, um sachê de álcool e um capilar (tubinho para coletar o sangue). O preço deve variar entre R$ 50 e R$ 70. Francisco Messias, presidente do Sincofarma-DF, explica que o exame foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Porém, o órgão proibiu que o teste seja feito nas farmácias. “O setor não concorda com essa medida, pois temos profissionais da saúde trabalhando nas lojas, no caso os farmacêuticos, que estão habilitados para realizar esse procedimento”, destaca Messias. O Rio de Janeiro foi a primeira unidade da Federação a receber o produto, já que a fábrica da Orange Life funciona no estado e tem capacidade para fabricar apenas 100 mil testes por mês.
Segundo dados do Boletim Epidemiológico de HIV e Aids de 2016, divulgado pelo Ministério da Saúde, 18 mil pessoas foram diagnosticadas com HIV no DF no período de 2010 a 2015. Dessas, 11 mil têm acompanhamento pela rede pública. Ceilândia, Taguatinga, Águas Claras, Samambaia, Asa Norte e Lago Norte são as regiões administrativas mais afetadas. Este ano, foram registrados 242 novos casos de HIV.
Reprodução/Orange Life
REPRODUÇÃO/ORANGE LIFE
Portador do vírus, o aposentado Domênico Lopes, 63 anos, acredita que a chegada do teste vai facilitar a vida das pessoas, já que muitas têm vergonha de se expor e terão a oportunidade de fazer o exame em casa, de forma reservada.
Demorei anos para descobrir que tinha a doença. E durante esse período, mesmo infectado, mantive relações sexuais com outras pessoas sem proteção. O teste permite reduzir esse risco"
Domênico Lopes
A venda do produto vai evitar o que ocorreu no final do ano passado, quando por falta de reagentes a rede pública do Distrito Federal deixou de fazer o exame.
Cuidados
A Anvisa informou que o teste demonstrou sensibilidade e efetividade de 99,9%. No entanto, só pode indicar a presença do HIV após 30 dias do contato da pessoa com o vírus. O resultado aparece na forma de linhas que indicam se há ou não presença do anticorpo do HIV. Caso o teste dê positivo, a pessoa deve procurar um serviço de saúde. Em caso de resultado negativo, o teste deve ser repetido após 30 dias para confirmação do resultado.
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o teste de farmácia traz mais uma vantagem: a privacidade oferecida deve ampliar o número de pessoas que, caso contrário, não se testariam. Assim, ele colaborará para que elas não transmitam o vírus inadvertidamente e busquem tratamento antes de desenvolver a Aids, que é a doença causada pelo HIV. A instituição também recomenda que as políticas públicas de saúde sejam adaptadas à nova realidade.
O Ministério da Saúde informou que alguns desses cuidados já estão sendo tomados. “De acordo com a regra da Anvisa, esse tipo de teste deve trazer nas suas instruções de uso a indicação de um canal de comunicação para atendimento dos usuários que funcione 24 horas por dia e o número do Disque Saúde: 136 para prestar toda a assistência e atendimento aos usuários”, informou a pasta.
Postar um comentário