O general Sérgio Etchegoyen, atual chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), afirmou nesta sexta-feira, 4, estar “preocupado” com a possibilidade de facções criminosas aproveitarem o fim do financiamento empresarial de campanhas para eleger representantes nas eleições de 2018. 
Quem informa é o Estadão.
Na avaliação do ministro, o Brasil corre o risco de ver sua democracia “refletir a atuação do crime organizado”.
“Com o fim do financiamento privado (de empresas) de campanha, você só tem três financiamentos hoje: o estatal, o crime organizado e as igrejas – existem igrejas e igrejas. São só esses três que têm dinheiro fácil para distribuir”, afirmou Etchegoyen. “O crime organizado tem capacidade financeira para colocar na campanha, com objetivo de eleger representantes”, disse o ministro.
Quem acompanha PapoTV Brasil no Facebook, viu que publicamos um vídeo que circula no Whatsapp, no qual mostra um suposto criminoso mostrando uma sacola cheia de dinheiro fruto de assalto a bancos ou carros fortes. 
Confira: