fan page

Federação das Industrias do Estado do Piauí

Federação das Industrias do Estado do Piauí

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Bolsonaro se compromete a acabar com a farra da elite do serviço público e promete combater altos salários

Imprensa Viva

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, se comprometeu esta semana a combater privilégios e altos salários do funcionalismo público. Considerada uma pauta polêmica entre políticos, já que servidores atuam como cabos eleitorais influentes em qualquer eleição, a promessa de combate a um dos problemas mais graves do Brasil surpreende. O próprio Bolsonaro já foi identificado por adversários como um político patrimonialista, beneficiário de privilégios como o auxílio-moradia durante décadas.


Mas ao que tudo indica, o candidato do PSL entrou de vez na campanha do segundo turno e prometeu agora  combater a indústria dos privilégios e altos salários do serviço público, na maioria dos casos, incompatíveis com a realidade do país. 



Bolsonaro ressuscitou sua proposta de eliminar a incorporação de salários de cargos comissionados para o funcionalismo público. Essa seria uma das medidas para uma  reforma da Previdência a ser apresentada por um eventual governo.



— Tem muitos locais no Brasil que o servidor público tem um salário x e tem um cargo em comissão. Depois de oito a dez anos, ele incorpora o salário. E depois de oito ou dez, ele incorpora de novo. Vamos acabar com essa farra de marajás —  disse o presidenciável, sem detalhar a proposta.



Bolsonaro confirmou que, caso seja eleito, vai procurar a equipe do governo Michel Temer responsável pela Reforma da Previdência para apresentar a sua proposta. Segundo ele, o ato seria “um grande passo.”



— Não podemos é passar para o ano que vem sem fazer a reforma da Previdência —  disse Bolsonaro, afirmando que vai apresentar uma proposta que tenha aceitação do parlamento.  — A proposta do Temer como está, se bem que ela mudou dia após dia, dificilmente será aprovada —  disse.




Com informações de O GLOBO
Postar um comentário